Top 5 notícias da Edição do Dia (semana de 10 a 14 de abril)

Flipboard Brasil Blog / abril 14, 2017


A ‘delação do fim do mundo’, como foi batizado o conjunto de depoimentos dos 77 executivos da Odebrecht que assinaram acordos de delação premiada, fez estrago no meio político nesta semana. Ao todo, 74 inquéritos foram autorizados pelo relator da Operação Lava Jato, Edson Fachin. Entre os políticos investigados, oito são ministros do Governo Temer. O atual presidente também é citado, mas não será julgado por enquanto em razão da ‘imunidade temporária’ a que tem direito como chefe do Executivo. Todos os ex-presidentes vivos do Brasil estão envolvidos nas delações. Além da ‘lista de Fachin’, também foram revelados nesta semana vídeos e trechos dos relatos de Marcelo Odebrecht, ex-presidente da empresa e principal personagem do esquema de propina para políticos, em que ele aponta nomes, fala sobre reuniões e dá uma ‘aula’ sobre caixa 2. Emílio Odebrecht, pai de Marcelo e atual presidente do conselho de administração da empreiteira, disse que o esquema investigado pela Lava Jato “existe há mais de 30 anos”.

Veja todas as notícias que foram destaque na semana:

1. Egito decreta estado de emergência de três meses após ataques — DW

Destaque: “Em reação aos dois atentados terroristas ocorridos neste domingo (09/04) no norte do país, o presidente do Egito, Abdel Fattah al-Sisi, decretou três meses de estado de emergência, “depois de serem tomadas as devidas medidas legais e constitucionais”. Num discurso desafiador, ele adiantou que a guerra contra os jihadistas será “longa e dolorosa”.

As explosões em duas igrejas cristãs coptas deixaram um total de pelo menos 44 mortos e mais de 100 feridos. Primeiro, a detonação de uma bomba na cidade de Tanta, a 120 quilômetros da capital, Cairo, surpreendeu os fiéis no templo de Mar Guergues (São Jorge, em árabe), durante as comemorações do Domingo de Ramos, que marcam o início da Semana Santa.”

2. Coreia do Norte se diz pronta para reagir a guerra — DW

Destaque: “A Coreia do Norte condenou nesta terça-feira (11/04) o envio por parte dos Estados Unidos de um porta-aviões nuclear à Península Coreana e ameaçou o governo do presidente Donald Trump, dizendo estar preparada para responder a um eventual ataque americano.

“Se os EUA se atreverem a optar por uma ação militar, ao falar em um ‘ataque preventivo’ ou em ‘destruir nosso quartel-general’, a Coreia do Norte estará pronta para reagir a qualquer forma de guerra planejada por Washington”, afirmou o governo norte-coreano em nota publicada pela agência de notícias estatal KCNA.

“Contra-atacaremos da forma mais firme os provocadores para nos defendermos mediante a poderosa força das armas e para nos manter no caminho escolhido por nós mesmos”, adverte o texto divulgado pelo governo norte-coreano.

3. O que acontece agora com os políticos citados pela Odebrecht? — Exame, Talita Abrantes

Destaque: “Quase uma centena de políticos com foro privilegiado serão investigados sob a jurisdição do Supremo Tribunal Federal. Só do governo de Michel Temer, são oito ministros que entraram para o time de políticos investigados no Supremo– entre eles, o homem forte do presidente: o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha.

Mas os problemas para os políticos citados não param por aí. Edson Fachin remeteu outros 201 pedidos de inquérito para instâncias inferiores.

Nessa lista, há nove governadores e 3 ex-presidentes da República, entre outros políticos sem foro no STF.”

4. Temer capitaneava esquema de propinas do PMDB, diz procurador — El País, Xosé Hermida

Destaque: “Janot tira as suas conclusões “da narrativa dos colaboradores” —seis ex-executivos da empreiteira, entre eles o próprio Marcelo Odebrecht— e dos “elementos de corroboração” procurados pela investigação judicial. Com isso o procurador aponta que Padilha, atual ministro da Casa Civil, e Moreira Franco, ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência da República, tinham como missão a “obtenção de recursos ilícitos para o grupo capitaneado por Michel Temer”.

Em vista dos fatos detalhados pelos delatores, Janot faz questão de explicar por que não solicita a abertura de investigação ao presidente. E lembra o artigo 86, no quarto parágrafo da Constituição: “O Presidente da República, na vigência do seu mandato, não pode ser responsabilizado por atos estranhos ao exercício da sua função”. Porém Janot defende que isso não significa que Temer tenha imunidade penal, mas que ele “não poderá ser responsabilizado enquanto não cesse a investidura de presidente”. Por isso quando, como conclusão ao relatório, o procurador geral pede ao STF que abra investigação a Moreira Franco e Padilha, ele acrescenta: “excetuando-se, por ora, o Presidente da República Michel Temer nos termos do artigo 86, 4º da Constituição Federal”.

5. Delações da Odebrecht envolvem todos os ex-presidentes vivos — DW, Jean-Philip Struck

Destaque: “O fim do sigilo sobre as delações da Odebrecht e da lista do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, nesta terça-feira (11/04) revelou citações ou pedidos de inquéritos envolvendo todos os cinco ex-presidente brasileiros ainda vivos.

Apenas no caso de Fernando Collor já existe a abertura de um novo inquérito. No caso de Luiz Inácio Lula da Silva, foram feitos seis pedidos. No de José Sarney, Dilma Rousseff e Fernando Henrique Cardoso, existem citações em delações que foram enviadas para diferentes tribunais.

 

Edição do Dia

Gustavo está lendo Lava Jato

BAIXE O FLIPBOARD: iOS / ANDROID / WINDOWS / WEB

SIGA-NOS:

FLIPBOARD / TWITTER / INSTAGRAM / FACEBOOK / GOOGLE+ / TUMBLR / YOUTUBE / SOUNDCLOUD / PINTEREST / MEDIUM